­

Cancro. Como uma descoberta por acaso pode mudar o diagnóstico

“O resultado foi uma surpresa completa e uma descoberta por acaso”. Matt Trau, investigador na Universidade de Queensland, na Austrália, resume assim o trabalho apresentado esta semana na revista científica “Nature Communications”.

O laboratório que dirige, especialista em nanotecnolgia e diagnóstico molecular, estava a fazer sequências de ADN de amostras de tumores quando duas investigadoras descobriram um padrão que parece ser comum a cancro da mama, próstata, colorretal e linfoma. A partir daí, pensaram em usar nanotecnologia para desenvolver um teste que pudesse detetar esta assinatura molecular a partir de uma análise ao sangue e acreditam ter criado um dispositivo que fornece um resultado positivo ou negativo em dez minutos. A confirmar-se a validade noutros tipos de cancros e em mais pessoas, poderia ser o primeiro teste de diagnóstico universal para detetar a doença.

Aceda aqui à notícia completa.

Fonte: i

­

Este site utiliza cookies. Ao navegar neste site está a consentir a sua utilização | Consulte as condições de utilização e a nossa política de privacidade.
copyright 2000-2018 Sociedade Portuguesa de Senologia | Portugal