­

ABC4 Advanced Breast Cancer Fourth ESO ESMO International Consensus Conference

 

ABC4: Conferência internacional sobre cancro da mama em Lisboa

Em 2017, Portugal volta a ser o palco da maior conferência internacional de cancro da mama: a International Consensus Conference for Advanced Breast Cancer. A conferência irá decorrer entre 2 e 4 de novembro, no Centro de Congressos de Lisboa.

O desenvolvimento de diretrizes de consenso mundial para a gestão de doentes com cancro da mama avançado (ABC) é o principal objetivo deste encontro, que em 2015 juntou em Lisboa mais de 1.200 participantes originários de 84 países, incluindo profissionais de saúde, associações de doentes e jornalistas.

O programa inclui várias discussões e apresentações onde se destacam os desafios e as controvérsias das remissões de longo prazo, o trabalho, as finanças e o apoio doméstico e emocional dos doentes, as terapias e as mudanças clínicas.

Simultaneamente, irá decorrer a primeira reunião da ABC Global Alliance uma plataforma multi-stakeholder para todos os interessados em colaborar em projetos comuns relacionados com o cancro de mama avançado, criada pela European School of Oncology (ESO).

Consulte mais informações aqui.


Salsa lança desafio contra o cancro da mama

Numa campanha desenvolvida pela Vitamina, a marca portuguesa de moda vai doar um euro por cada dois novos seguidores na sua página oficial no Instagram, até 14 de Julho.
A ideia é “celebrar a capacidade de mobilização que têm as redes sociais”, nomeadamente o Instagram. Tudo vai acontecer sob o mote #GoPink, movimento criado pela Salsa e pela Vitamina e que irá acompanhar todas as publicações relacionadas com a campanha.
O dinheiro angariado será doado a três instituições: fundo iMM Laço em Portugal, Fero em Espanha e Le Cancer du Sein em França.

Fonte: Marketeer | 30/06/2017 |  Ler notícia seta noticias


Cancro da mama. Novo estudo aponta terapia que pode retardar desenvolvimento

Um tipo de cancro da mama hereditário está a ser alvo de um novo tratamento que pode retardar o seu crescimento. A doença que tende a afetar mulheres mais novas, neste momento, não tem cura.
Durante a maior conferência oncológica do mundo foi apresentado um estudo segundo o qual tratar os doentes com o medicamento denominado de Olaparib pode retardar o crescimento do cancro até três meses, da mesma forma que é menos tóxico para quem possui gene BRCA mutante, relacionado com o cancro da mama.
O gene BRCA tem a sua quota parte de responsabilidade na reprodução normal das células, mas um defeito hereditário pode fazer com que estas não parem de crescer de forma descontrolada. O medicamento Olaparib faz parte da medicina de precisão, um campo em desenvolvimento que visa a adaptação do tratamento ao genes da pessoa.

Fonte: Observador | 06/06/2017 | Ler notícia seta noticias


Biopsias líquidas mais eficazes a detetar alterações no cancro da mama

As alterações genéticas do cancro da mama metastático são detetadas "com igual ou mesmo com maior sensibilidade com biopsia líquida" do que com a sólida, um método menos invasivo que é útil em perto de 80% dos casos.
Estas conclusões foram apresentadas pelo diretor do serviço de oncologia do Hospital do Mar (Espanha), Joan Albanell, no terceiro dia da 53.ª reunião anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, que reúne em Chicago, até segunda-feira, mais de 30 mil especialistas de todo o mundo.
Numa conversa com jornalistas, o médico espanhol explicou que uma das limitações com que se confrontaram os investigadores foi que em algumas pacientes "não há suficiente ADN circulante para poder observar este perfil de mutações".

Fonte: Jornal de Notícias | 05/06/2017 | Ler notícia seta noticias


ASCO 2017: cancro da mama é alvo de avanço científico significativo

Em contraste com a edição de 2016, a Dr.ª Fátima Cardoso antecipa algumas novidades na ASCO 2017 para os três grandes subtipos de cancro da mama. "Talvez um dos mais esperados", afirma, seja um estudo que incidiu no subtipo triplo negativo, aguardando-se também com expectativa os resultados de trabalhos nos subtipos HER-2 positivo e luminal.
A terapêutica com inibidores da PARP no cancro da mama triplo negativo, a utilização de um duplo bloqueio no subtipo HER-2+ e as novas associações terapêuticas no subtipo luminal serão alguns dos temas em destaque nesta reunião anual.
A diretora da Unidade de Mama do Centro Clínico Champalimaud salientou ainda algumas publicações nacionais na doença precoce, nomeadamente com aplicação de testes genómicos, frisando a sua "potencial aplicação na prática clínica".

Fonte: NewsFarma | 03/03/2017 | Ler notícia seta noticias

­

Este site utiliza cookies. Ao navegar neste site está a consentir a sua utilização | Consulte as condições de utilização e a nossa política de privacidade.
copyright 2000-2017 Sociedade Portuguesa de Senologia | Portugal